FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EXPOSIÇÃO “ACERVO DE AFETOS”

Ocorreu entre os dias 22 e 24 de fevereiro de 2017 a ação educativa denominada formação de professores.  Essa capacitação permitiu aos professores conhecer melhor a exposição “Acervo de Afetos”, suas influências e conceitos, além de discussões de cunho educativo. A exposição “Acervo de Afetos” trabalha a interdisciplinaridade uma vez que ela flui entre a arte educação, língua portuguesa, geografia e educação física.

O professor pode abordar a temática naif tanto quanto pode levar seus alunos a pesquisarem sobre as brincadeiras de crianças abordadas na exposição, como: brincadeira de roda, pipas, piões, amarelinha, peteca, bola, dentre outra que na atualidade estão sendo esquecidas e substituídas pela tecnologia.

A atmosfera lúdica da exposição “Acervo de Afetos” buscou inspiração na infância, nas memórias e brincadeiras de criança. Os elementos interativos criam um ambiente divertido e nostálgico com teor didático que faz os visitantes imergir na arte naif capixaba e no imaginário infantil. O intuito é que o público, especialmente as crianças, esteja livre para explorar o espaço, interagir com as obras e estimulá-los desde pequenos na busca por conhecimento em artes.

“Acervo de Afetos”

De 02 de fevereiro a 15 de abril de 2017
Segunda a sexta: 09 às 18 horas;
Sábado: 13 às 18 horas.

Rua Pedro Palácios, 99, Centro, Vitória – ES

Este slideshow necessita de JavaScript.

“ACERVO DE AFETOS”

sw_0018_16b_fcb_timeline_topo

A Galeria Homero Massena completa 40 anos de promoção da Arte no Espírito Santo. Criada em 1977, ela foi o primeiro equipamento de cultura do governo do Estado e grande parte dos artistas capixabas passaram por esse espaço fazendo parte de sua história.

Embora o foco da Galeria seja a produção contemporânea, ela segue para o futuro sem deixar de valorizar o seu passado, seu acervo é testemunha das quatro décadas de atuação no cenário artístico capixaba. A cada ano a Galeria tem se consolidado com o lançamento de novos artistas, fruto dos editais de seleção de portfólios para artistas que nunca fizeram uma exposição individual. Em seu programa inclui além das exposições do edital do Funcultura, mostras do acervo, ações educativas desenvolvidas em cada exposição, visitas mediadas e encontros com os artistas.

O ano de 2017 será de comemoração pelos 40 anos e a Galeria começa o ano comemorativo com uma nova abordagem sobre seu acervo. Pela primeira vez no Espírito Santo um espaço faz uma curadoria pensada na infância e convida a criança a mergulhar no universo da arte de forma interativa e lúdica. Trazer a criança para o museu é uma forma de mostrar que a arte deve fazer parte de seu cotidiano e de seu imaginário.

A Galeria Homero Massena tem a missão de se afirmar, cada vez mais, como um local de produção de conhecimento onde a formação de novos públicos parta de ações que consigam transpor o espaço expositivo e faça parte de uma consciência de cidadania.

Muitos museus mundo a fora tem apostado nessa iniciativa, tanto na Europa como nos Estados Unidos existem grandes museus dedicados a criança, e eles fazem parte de sua construção lúdica e de seu processo educacional. O Museu da Criança do Brooklyn ou Brooklyn Children’s Museum foi o primeiro museu dedicado às crianças do mundo, Fundado em 1899, em um das áreas mais tradicionais da cidade de Nova York. Todas as exposições tem cunho educativo e ensinam as crianças sobre as culturas do mundo, a história, a ciência e a natureza. No Brasil há uma iniciativa mais singela, e nem por isso menos importante, em Salvador – BA, há um espaço no bairro Patamares onde as crianças têm acesso à arte e a cultura local. Em 2016 o MASP  organizou  do seu acervo a mostra “Histórias da infância” que reuniu diversas representações da infância de diferentes períodos, territórios e escolas da arte. Incluindo a arte sacra, barroca, acadêmica, moderna, contemporânea, e a chamada arte popular, bem como desenhos feitos por crianças.

A exposição “Acervo de Afetos” vai buscar na arte naif as representações mais ingênuas para compor seu repertório e construir um primeiro diálogo com a criança através de desenhos, cores e formas dos artistas: Ângela Gomes, Elpídio Malaquias, Nice, Natal e Rômulo Cardozo.

A mostra possibilita ao público ver ou rever importantes peças do acervo a partir de uma nova perspectiva, a expografia foi pensada para o olhar da criança, os quadros serão expostos mais baixos que o habitual e algumas obras receberão um tratamento especial como peças lúdicas para maior interação com o público.

A arte naif como mote da exposição foi uma escolha natural, uma vez que as obras dos artistas, chamados de primitivistas, ingênuos ou instintivos, se identificam instantaneamente, ou intuitivamente, com a infância. O termo naif – ingênuo – se caracteriza pela não utilização das formas convencionais de composição ou do uso científico da perspectiva. A representação onírica do mundo em uma visão idealizada da natureza sem preocupação com a representação realista do mundo é o que aproxima esses artistas da primeira infância e o que nos motiva a realizar a exposição “Acervo de afetos”.

Kyria Oliveira

Galeria Homero Massena
Exposição: Acervo de afetos
Curadoria: Kyria Oliveira
Educativo: Renato Saudino

Abertura: 01 de fevereiro às 19h

De 02 de fevereiro a 15 de abril de 2017
Segunda a sexta: 09 às 18 horas;
Sábado: 13 às 18 horas.

Rua Pedro Palácios, 99, Centro, Vitória – ES

VÍDEO EM LIBRAS DA EXPOSIÇÃO FERMENTO

O coletivo Opiniães, responsável pela ação educativa da exposição “Fermento: do ar ao seu redor” da artista Joana Quiroga, acaba de divulgar o vídeo em Libras de apresentação da exposição. O vídeo foi concebido em parceria com o Projeto de Extensão em Libras/UFES e foi editado de forma mais adequada para pessoas com deficiência auditiva. As legendas, a tradução e a gravação contam com estratégias de aprimoramento para que o vídeo possa ser visto por diferentes públicos sem afetar as características inerentes da linguagem em Libras.

capturar1

ENCONTRO FERMENTO: DO AR AO SEU REDOR

fermento

Desde o último mês de setembro, a exposição “Fermento: do Ar ao Seu Redor”, de Joana Quiroga, está aberta ao público na Galeria Homero Massena, no Centro de Vitória. Como desdobramento desse trabalho, na próxima quarta-feira (23), a partir das 18h30, será realizado o “Encontro Fermento: do ar ao seu redor”. Essa atividade contará com a presença de pessoas que foram parceiras da artista durante o seu processo criativo e também será um evento para lançamento do livro “Ar” que compõe da exposição. A entrada é franca.

Para a ocasião, estão confirmadas a participação da professora do Núcleo de Biotecnologia Ufes, Patrícia Fernandes; do diretor do Banco Comunitário Verde Vida, João Manoel dos Santos; da presidente do Centro de Artesanato da Lagoa do Juara, Francina de Oliveira; e do professor do Centro De Artes UFES, Carlos Eduardo Borges, que foi orientador de Joana Quiroga no projeto que resultou na exposição.

Esses convidados irão dividir seus pensamentos e experiências a partir da pergunta: “o que os olhos não veem?”. Com essa provocação, e partir da poética no trabalho exposto na Galeria, a artista propõe uma reflexão sobre a nossa relação com o que nos alimenta, com o tempo e com as interações com o que há ao nosso redor. “Trata-se de estimular a nossa capacidade de observação para que um mundo infinito, diverso, extraordinário, e invisível para um olhar distante e sem profundidade, possa surgir”, explica Joana.

Sobre a exposição

Para a realização de “Fermento: do ar ao seu redor”, Joana Quiroga cultivou fermentos naturais para pão em diferentes lugares da Grande Vitória enquanto uma narrativa para pensar sobre o mundo de coisas miúdas que nos cerca. Nesse trabalho, a criação dos fermentos, feitos apenas de água e trigo, é um convite para pensarmos sobre os afetos miúdos e corriqueiros, para os quais damos pouca atenção, mas que nos constituem. Essa proposta artística diz sobre a capacidade de tornar visível a singularidade daquilo que não podemos ver. Aqui, a fermentação é uma metáfora sobre a possibilidade de geração de algo extraordinário a partir de elementos simples.

Quem visita a exposição tem acesso a registros em fotos, áudio e vídeo, e outros documentos que dizem sobre essa imersão da artista e explicitam a originalidade e autenticidade de três colônias de fermento cujas matrizes foram capturadas em diferentes lugares da Grande Vitória: em Ataíde, Vila Velha, o fermento foi criado em uma vivência coletiva junto ao Banco Comunitário Verde Vida; na Lagoa do Juara – Jacaraípe/ES, Serra, está sob os cuidados da Associação de Artesãos local; já o terceiro, foi feito na casa da própria artista no Centro de Vitória.

A exposição “Fermento: do ar ao seu redor” foi um dos projetos contemplados pelo Edital nº 15/2015 do Fundo de Cultura do Estado do Espírito Santo e com o apoio do Projeto de Extensão “Fermento: arte e ciência” do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Ufes.

Sobre os convidados do Encontro

– Patricia Machado Bueno Fernandes: professora do Núcleo de Biotecnologia da Ufes, coordena pesquisas nas áreas de Biotecnologia, Bioquímica e Biologia Molecular.
– Carlos Eduardo Borges: professor do Departamento de Artes da Ufes e artista visual.
– João Manoel Ribeiro dos Santos, ou seu Joãozinho: fundador e líder do Instituto Verde Vida, em Ataíde, Vila Velha, que tem como principais projetos o Banco Comunitário Verde Vida e o Sabão Verde Vida.
– Francina Coelho de Oliveira: artesã e coordenadora do Centro de Artesanato da Lagoa do Juara, em Jacaraípe, Serra.

SERVIÇO:

“Encontro Fermento: do ar ao seu redor” e lançamento do livro “Ar”, publicação que integra a exposição “Fermento: Do Ar ao Seu Redor”, de Joana Quiroga
Dia 23 de novembro de 2016, às 18h30
Local: Galeria Homero Massena – Rua Pedro Palácios, 99 – Cidade Alta, Vitória – ES
Entrada Franca!

MATERIAL EDUCATIVO DA EXPOSIÇÃO “FERMENTO: DO AR AO SEU REDOR”

frame-de-video_casa_1090

Frame de um vídeo gravado durante a preparação do fermento. Fonte: Joana Quiroga.

Está disponível para download o material educativo e a cartilha da exposição “Fermento: do ar ao seu redor”. A proposta educacional busca provocar a percepção dos alunos e fazer-los pensar a arte de forma expandida, seja dentro de sala de aula ou em seu cotidiano. Já a cartilha dá orientações sobre o cultivo de fermento natural e receita básica de pão.

“O material educativo A Percepção Provocada reflete práticas que apresentam outras  possibilidades de se fazer arte. Na arte contemporânea o processo de percepção de si  mesmo, dos espaços e do outro se torna o objeto de criação.

A artista Joana Quiroga compartilha com o público suas percepções e experiências vivenciadas em três bairros da Grande Vitória apresentadas na exposição Fermento: do ar ao seu redor. Em sintonia com as questões presentes na exposição, o material educativo proporciona ao aluno a possibilidade de reconhecer o seu próprio cotidiano, a ser partilhado com o outro através de diferentes linguagens da arte como oralidade/discurso, fotografia, escrita, vídeo, desenho, performance, etc.”

DOWNLOAD:

Do ar o pão

Material Educativo

Estes materiais podem ser livremente reproduzidos desde que para fins não comerciais ou alterações de conteúdo. Para mais informações acesse: www.joanaquiroga.com

10ª PRIMAVERA DOS MUSEUS

A Galeria Homero Massena no dia 24 de setembro de 2016, das 15h às 17h, recebe a 10ª Primavera dos Museus. O evento vai contar com a presença da artista Joana Quiroga e um bate-papo sobre a exposição “Fermento: do ar ao seu redor”. Na ocasião, haverá uma conversa com a artista sobre o processo de criação e vivência sobre como cuidar de um fermento, com a distribuição do fermento feito dentro da galeria.

Fermento feito por Joana Quiroga dentro da Galeria Homero Massena. Crédito: Joana Quiroga.

 

FERMENTO: DO AR AO SEU REDOR

Minha querida,

Creio que posso chamá-la assim, após esse período de convivência em que ganhamos a
confiança mútua e passamos a nos conhecer.

Nesses tempos velozes de internet, achei interessante lhe escrever. Penso que o
tempo da carta postada é adequado ao desenvolvimento do fermento. Um tempo
perdido, poético, nostálgico, que você não viveu, mas que sua ação propõe resgatar.

Você estabelece um compromisso anacrônico com o ritmo e o sentido da produção do
alimento na sociedade industrializada, do “fast food”. Assim, segue um fluxo contrário
ao das relações adequadas à economia de hoje, na qual resta às pessoas, cujo tempo já
foi consumido, engolir o alimento “ready-made”.

Ao redor da ideia de fermento, diversas partes chamadas mudas ou iscas se
transformam ao longo de períodos (tempos) diferentes, assimilando peculiaridades
dos locais escolhidos. Espaços de acolhimento, comunidades nas quais você se insere,
se integra, ensina e aprende, cria relações afetivas, transforma e aceita ser também
transformada. Como a massa aparentemente inerte, porém viva que você propõe e
cultiva. Essa produção ao mesmo tempo subversiva e terna do alimento tornado
agente agregador, permite o ressurgimento das pequenas histórias perdidas, das
relações e afetos envolvidos nas atividades coletivas e suprimidas na sociedade
individualizada e de consumo. Assim você provoca a reflexão sobre o próprio tempo
do homem e sua relação com sua vida.

Nessa demanda que você detectou, o fermento funciona então como o elemento
transformador de que falava Heráclito, circulando como uma espécie de vírus do bem,
inserido nos tecidos e redes sociais de modo ativo, atuante, resgatando a história da
nossa própria cultura. O resultado está inscrito no produto final. O pão traz as marcas
particulares dos indivíduos, de cada comunidade, de seus ares e de suas histórias.
Porém, essas marcas são quase invisíveis, imperceptíveis, como a cultura do próprio
homem contida no pão que, convertido em um veículo de atividade estética integrada
aos sistemas de referências cotidianas, segue ativando espaços e fluindo sem centro
por entre mãos transformadas e transformadoras.

Meus Parabéns

Carlos

dsc00021

Foto: Arquivo GHM

dsc00025

Foto: Arquivo GHM

dsc00041

Foto: Arquivo GHM

dsc00049

Foto: Arquivo GHM